sábado, 2 de maio de 2020

Rio Natal APA RIO VERMELHO HUMBOLDT MAIO 2020


























sexta-feira, 1 de maio de 2020

Papagaio-de-peito-roxo é fotografado em São Bento do Sul após 9 meses da soltura





NO DIA DO OBSERVADOR DE AVES NOVA SOLTURA É REALIZADA EM SÃO BENTO DO SUL



Para quem aprecia a observação de aves não poderia haver maneira mais especial de comemorar a data.

Na tarde desta terça-feira (28/04/2020) o prefeito Magno Bollmann e o secretário de Agricultura e Meio Ambiente Marcelo Hubel participaram de mais uma soltura de aves ocorrida na área da APA Rio Vermelho Humboldt, em São Bento do Sul.

Nesta quinta soltura foram libertadas 19 maitacas e 2 curiós, pequena ave praticamente extinta em nossa região, e que foram trazidas pelo Sub-tenente Edson Guimarães, do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina - IMA.

Conforme o Sub-tenente Guimarães, "as aves foram recuperadas no CETAS - Centro de Triagem de Animais Silvestres localizado no Parque Florestal Rio Vermelho em Florianópolis. As maitacas tem entre 10 e 15 anos de idade, e passaram por cerca de 90 dias de recuperação, onde reaprenderam a voar e a se alimentar na natureza", comentou.

Desde a primeira soltura realizada na área da APA Rio Vermelho Humboldt, ocorrida em 10 de agosto de 2017, já foram libertadas 201 aves dentre tucano de bico verde, periquitão maracanã, periquito verde, tiriba de testa vermelha, maitaca verde, papagaio de peito roxo, curió, trinca ferro, sabiá preta, sabiá coleira, sabiá laranjeira, sabiá poca, tangará dançarino, coleirinho, pintassilgo, saíra sete cores, tié-preto, dentre outros.
Durante a soltura o prefeito Magno Bollmann destacou a alegria de poder participar de mais uma ação ambiental na região. "Hoje tivemos a oportunidade de soltar as maitacas, espécie que já existe aqui e que agora tem a oportunidade de retornar à natureza, a ainda dois curiós, belíssima ave que infelizmente não vemos mais por aí", disse.
O prefeito destacou que a soltura foi um sucesso, "pois as aves foram soltas e já foram se alimentar. É uma época muito boa para soltura, há alimentação como pinhão, frutas como caqui e araçá, e as aves conseguem se inserir em novos bandos", comentou.
O prefeito lembrou que outras solturas já demonstraram sucesso porque aves soltas já acasalaram e se reproduziram com aves nativas e fez questão de destacar que a soltura das aves é realizada na APA que foi criada pelo Consórcio Intermunicipal Quiriri em uma área de 23 mil hectares que perfazem 48% da área do município de São Bento do Sul.
"Futuramente teremos solturas de aves também em áreas protegidas nos municípios de Rio Negrinho, Campo Alegre e Corupá, municípios estes que fazem parte do Consórcio Intermunicipal Quiriri", disse o prefeito.
O secretário de Agricultura e Meio Ambiente e biólogo Marcelo Hübel destacou a importância de realizar mais uma soltura de aves na região, e que nesta época do ano ocorre uma peculiaridade na soltura: "este é um período que embora estejamos entrando no outono e inverno, as aves estão formando os bandos mistos. Então é um período onde há a colaboração de buscar o alimento. Algumas aves tem característica de bandos mistos, onde várias espécie estão no mesmo bando em busca do alimento, e quando uma encontra todas se beneficiam. A maitaca forma um bando único, mas nesse período ela tem a facilidade de se misturar com outros bandos em busca do alimento, mas somente nesta época do ano, pois do contrário são aves territorialistas, principalmente na época do acasalamento", explicou.

Dia do observador de aves

O biólogo Marcelo Hübel é um observador de aves há muitos anos, e inclusive conta com uma obra já publicada, "Aves do Quiriri", realizada em parceria com o também biólogo Thiago Dreveck e que reúne informações técnicas e imagens de cerca de 150 aves nativas da região.
Para Marcelo, "está é uma ocasião muito feliz, pois temos mais uma soltura de aves na nossa APA, e coincidentemente nesta data, dia 28 de abril que é o dia do observador de aves", disse.
Conforme lembrou, "o primeiro relato de observação de aves que encantou uma pessoa foi no ano de 1500, quando Pero Vaz de Caminha relatou o que viu aqui em uma carta ao rei de Portugal", comentou.
No ano de 1500 Pero Vaz de Caminha documentou as primeiras observações de aves feitas em território brasileiro, conforme consta em sua famosa carta ao rei de Portugal e Algarves Manuel I - O Venturoso, onde dá notícias, entre outras coisas, da riqueza de nossa avifauna.

Texto da carta de Pero Vaz de Caminha ao rei de Portugal e Algarves Manuel I - O Venturoso:
"Enquanto andávamos nessa mata a cortar lenha, atravessavam alguns papagaios essas árvores; verdes uns, e pardos, outros, grandes e pequenos, de sorte que me parece que haverá muitos nesta terra. Todavia os que vi não seriam mais que nove ou dez, quando muito. Outras aves não vimos então, a não ser algumas pombas-seixeiras, e pareceram-me maiores bastante do que as de Portugal. Vários diziam que viram rolas, mas eu não as vi. Todavia segundo os arvoredos são mui muitos e grandes, e de infinitas espécies, não duvido que por esse sertão haja muitas aves!" 

Joberth Krause – MTB 4280SC Assessoria de Imprensa Prefeitura de São Bento do Sul

sexta-feira, 3 de abril de 2020

papagaio-de-peito-roxo Amazona vinacea (Kuhl, 1820)

Um bando com cerca de 30 papagaios se juntavam e se separavam em bandos menores que sobrevoavam os pinheirais na busca de alimento. Neste ano de 2020 a produção de pinhão caiu em 80% quando comparado com o ano anterior. Talvez teve problemas de polinização a 20 meses atras.

O local de observação foi na Estrada Rio Negro, próximo da cruz de José (Joào) Maria, monge profeta e milagroso.













https://www.wikiaves.com.br/3743762

Cyanocorax chrysops (Vieillot, 1818) Gralha-picaça



https://www.wikiaves.com.br/3743764

domingo, 29 de março de 2020

Paca Cuniculus paca FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

Paca 

Cuniculus paca

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Rodentia;
Família: Cuniculidae;
Gênero: Cuniculus;
Espécie: C. paca

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.

DISTRIBUIÇÃO: Todo Brasil e do México até Argentina, mas não ocorre no Uruguai e Chile.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento aproximado de 60cm pesando de 5 até 13kg. Os dedos apresentam unhas grossas, a cauda é muito pequena, a coloração da pelagem é marrom, com garganta e ventre branco amarelado e nas laterais do corpo aparecem manchas, ou linhas branco amareladas. A gestação é de 60 dias tendo até 3 filhotes.

ALIMENTAÇÃO: sementes, frutos, folhas e raízes.

Curiosidades: Vive solitária, formando casais apenas no período de reprodução. Gosta de tocas próximo de rios ou de locais declivosos, mas também aproveita fendas em rochas. Na água nada e mergulha com eficiência. Quando ameaçada faz um som forte e grave. É a espécie mais procurada por caçadores, motivo de seu declínio populacional e raridade em encontrar na natureza. Com autorização do órgão ambiental é possível criar em cativeiro. Anda quilômetros de distância durante a noite.




Porco-do-mato-cateto ou caititu Tayassu tajacu FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

Porco-do-mato-cateto ou caititu 

Tayassu tajacu

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Artiodactyla;
Família: Tayassuidae;
Gênero: Tayassu;
Espécie: T. tajacu

Esta é uma espécie não registrada nas armadilha fotográfica, mas citada pelos moradores locais que já avistaram no vale do rio Natal.

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Artiodactyla;
Família: Tayassuidae;
Gênero: Tayassu;
Espécie: T. tajacu

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.
DISTRIBUIÇÃO: Todo o Brasil e do sudeste dos Estados Unidos até o Uruguai, mas não ocorre no Chile.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de 82cm a 1m, pesando de 17kg até 30 Kg. Pelagem preto acinzentado tendo assim um contrate da ponta dos pelos brancas. Apresenta uma listra como um colar no pescoço, de tonalidade amarelado.  As pernas são longas e finas. Próximo da cauda apresenta uma glândula de forte cheiro. Os dedos dos pés são em forma de cascos. A gestação dura cerca de 5 meses, tendo 2 filhotes, estes são gerados fora do grupo.

ALIMENTAÇÃO: vegetais, raízes, frutos, sementes, mas pode comer invertebrados e até pequenos vertebrados.

Curiosidades: Vivem em bandos podendo a chegar em bandos de 6 a 9 animais. É mais ativo no início da manhã e fim da tarde. Como território percorre até 5Km. Como forma de defesa bate forte a mandíbula provocando som alto com os dentes.  Também utiliza a glândula de cheiro para defesa e demarcação de território.  Os registros de visualização por moradores de Rio Natal são no período de inverno, fato que demonstra que esta espécie percorre vários quilômetros pela floresta. A vara pode atacar o ser humano causando ferimentos graves.



DISTRIBUIÇÃO




Porco-do-mato-queixada Tayassu pecari FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

Porco-do-mato-queixada 

Tayassu pecari

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Artiodactyla;
Família: Tayassuidae;
Gênero: Tayassu;
Espécie: T. pecari

Esta é uma espécie não registrada nas armadilha fotográfica, mas citada pelos moradores locais que já avistaram no vale do rio Natal. 

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Ameaçado/Vulnerável.

DISTRIBUIÇÃO: Todo o Brasil e do México até o norte da Argentina, e não ocorre no Chile e Uruguai.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de 76cm a 1,15m, pesando de 16kg até 40 Kg. Pelagem cinza escura podendo estar marrom escuro, os lábios, garganta e queixo são brancos, derivando seu nome popular de “queixada”.  Próximo da cauda apresenta uma glândula de forte cheiro. Os dedos dos pés são em forma de cascos. A gestação dura cerca de 5 meses, tendo 2 filhotes.

ALIMENTAÇÃO: vegetais, raízes, frutos, sementes.
Curiosidades: Vivem em bandos podendo a chegar de 20  a 30 animais. É mais ativo no início da manhã e fim da tarde. Como forma de defesa bate forte a mandíbula provocando som alto com os dentes. Não ataca, mas quando o grupo corre de encontra a pessoa sai arrebentando tudo oque está na frente, causando temor. Também utiliza a glândula de cheiro para defesa e demarcação de território.  Os registros de visualização por moradores de Rio Natal são no período de inverno, fato que demonstra que esta espécie percorre vários quilômetros pela floresta.









DISTRIBUIÇÃO














Lontra Lutra longicaudis FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA EM SÃO BENTO DO SUL - SC

Lontra 

Lutra longicaudis

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Carnivora;
Família: Mustelidae;
Gênero: M. longicaudis
Estado de Conservação

IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.

DISTRIBUIÇÃO: Todo o Brasil e do México até o Uruguai, mas não ocorre no Chile.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de 89cm a 1,30m pesando de 5 a 14kg. A pelagem é marrom pardo, com brilho intenso quando molhado. O ventre é mais claro sendo amarelado. Na garganta apresenta uma mancha amarelada.  É um exímio nadador e apresenta aparatos como membranas entre os dedos e cauda levemente achatada no sua terminação. Inicia a reprodução com 2 anos tendo até 5 filhotes que ficam protegidos nas tocas construídas nos barrancos.

ALIMENTAÇÃO: Principalmente de peixes, mas também aprecia anfíbios, crustáceos, moluscos, aves e até pequenos mamíferos.

Curiosidades:  Não vive solitários forma casais ou grupos, aprecia a água de tanques, rios, sendo mal visto pelos criadores de peixe, pois pode acabar com todos indivíduos de um tanque. Frequenta  a parte terrestre para reproduzir ou se alimentar, mas sempre próximo da água. É visto durante o dia e costuma fazer muito barulho. A condição de represamento favorece sua presença, pois rios de pequena profundidade, assoreados,  não são tão desejados.





Furão Galictis cuja FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

Furão 

Galictis cuja

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Carnivora;
Família: Mustelidae;
Gênero: Galictis;
Espécie: G. cuja

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.

DISTRIBUIÇÃO: No Brasil do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espirito Santo, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de 55cm a 64cm, pesando cerca de 1kg. Apresenta pelagem diferenciada do dorso com tonalidade cinza escuro para o preto com pelagem que inicia sobre os olhos descendo para o pescoço e patas pretas. Está apto para reprodução com 1 ano de idade com gestação de 40 a 65, tendo de 2 até 5 filhotes.

ALIMENTAÇÃO: frutas, pequenos mamíferos, aves e ovos.
Curiosidades: Pode ser visto a noite e durante o dia, correndo com agilidade por entre a vegetação, muitas vezes correndo pela estrada fazendo curvas para direita e esquerda, subindo barrancos com facilidades. Vive de forma solitária ou em pares e até em pequenos grupos. Apresenta uma glândula de cheiro próximo do ânus que utiliza como forma de defesa.





Preá Cavia aperea FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

Preá 

Cavia aperea

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Rodentia;
Família: Caviidae;
Gênero: Cavia;
Espécie: C. aperea

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.

DISTRIBUIÇÃO: Toda a América do Sul.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de 16 a 29cm, pesando de 250 a 270g. A pelagem é cinza marrom escuro com ventre esbranquiçado. Apto para reproduzir com 55 dias, com uma gestação de 65 dias pode ter até 4 filhotes, que ficam com os pais formando um pequeno bando. A fêmea cria duas vezes por ano.

ALIMENTAÇÃO: vegetais, principalmente os brotos novos.
Curiosidades: Pode ser visto durante o dia, atravessando estradas rurais, mas prefere sair a noite, em pequenos grupos. São muito velozes. Seus principais predadores são corujas, cobras, cachorro-do-mato, gato-do-mato, jaguatirica, puma, entre outros. Pode ser predado por animais domésticos como cães e gatos. Vive em ambientes abertos como no ambiente da lebre.





sábado, 28 de março de 2020

Lebre Lepus europaeus FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

Lebre 

Lepus europaeus

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Lagomorpha;
Família: Leporidae;
Gênero: Lepus;
Espécie: L. europaeus

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.


DISTRIBUIÇÃO: Toda a Europa e norte da África. Espécie introduzida na América do Sul. No Brasil chegou pela fronteira com a Argentina.

CARACTERÍSTICAS: Espécie maior que o coelho brasileiro, tapiti. Coloração de marrom palha, ventre mais claro.

ALIMENTAÇÃO: grama, raízes e cultivos como amendoim, feijão, milho entre outros.
Curiosidades: Vive de forma solitária, vista em pares apenas no momento de reprodução que compreende entre os meses de janeiro a outubro. Vivem em áreas abertas, campos. Embora seja visto correndo em pleno dia prefere sair a noite. Frequenta a área de agricultura para se alimentar. Também corta muda de pinus com até 8mm de diâmetro, mas não se alimenta da muda propriamente.





OURIÇO Coendou insidiosus FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

OURIÇO 

Coendou insidiosus

CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Rodentia;
Família: Erethizontidae;
Gênero: Coendou;
Espécie: C.insidiosus

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante.

DISTRIBUIÇÃO: No Brasil ocorre do estado do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de até 50 cm a 90 cm pesando de 1,5 Kg a 2 Kg. Pelagem em forma de espinhos de coloração com tonalidades variadas com marrom-escura e ponta amarelada com espinhos pretos de ponta amarelo intenso, o ventre é mais claro. Os espinhos chegam a medir até 6 cm. A fêmea pode ter 1 ou 2 filhotes.

ALIMENTAÇÃO: basicamente folhas e frutas.
Curiosidades: Vive de forma solitária, reunindo em pares no momento de reprodução. Prefere sair em período noturno e crepuscular. Sua principal defesa são os espinhos e a cauda que usa para acertar a ameaça. Não lança os espinhos como dito pela crença popular. O espinho é serrilhado, escamado para a base e quando entra na musculatura acaba entrando mais profundamente conforme a movimentação do músculo, fato que revela a dificuldade de retirar espinhos.






GAMBÁ Didelphis sp FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC


FAUNA DE SÃO BENTO DO SUL - SC

GAMBÁ 

Didelphis sp


CLASSIFICAÇÃO
Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Didelphimorphia;
Família: Didelphidae;
Gênero: Didelphis;
Espécie: D.marsupialis ou
ainda D. marsupialis aurita.
e D. albiventris

Didelphis albiventris (azul)
Didelphis marsupialis aurita (azul claro)
Didelphis imperfecta (vermelho)
Didelphis marsupialis (laranja)
Didelphis pernigra (verde)
Didelphis virginiana (verde claro)

Estado de Conservação
IUNC (União Internacional para Conservação da Natureza). Pouco preocupante
DISTRIBUIÇÃO:  existem diferentes espécies mas ocorre em todo o Brasil e do Canadá, até o norte da Argentina. Não ocorre no Chile.

CARACTERÍSTICAS: Comprimento de 60cm a 90cm de comprimento total. Pesando de 56Kg até 1,6Kg.  Pelagem mais interna curta de marrom avermelhado e mais externa cinza ou preto. A ponta da orelha é sem pelos e apresenta coloração preta para D, marsupialis (D. marsupialis aurita )e branca para D. albiventris, mas as duas espécies são muito semelhantes e ocorrentes em São Bento do Sul. Gestação de 13 dias, e passa para armazenamento dos filhotes em pequena dobra da pele, como uma bolsa, próximo das mamas, geralmente com 8 filhotes que ficam 3 meses com a mãe. Pode criar até duas vezes ao ano.

ALIMENTAÇÃO: Frutas, insetos, cobras, ratos e aves.
Curiosidades:  Vive solitário, é lento mas sabe se defender escancarando a boca e imitindo alto rosnar e também inala um cheiro forte. Algumas pessoas gostam de comer gambá. O gambá pode ser portador do Trypanosoma cruzi, mas a doença de chagas somente é transmitida quando existe contato com o sangue. É frequentemente atropelado, pois fica estático com a luz do veículo. É um ótimo controlador de populações, sendo um excelente dispersor de sementes.