terça-feira, 16 de outubro de 2018

GENERAL FAZ DOAÇÕES PARA MUSEU


Animais são doados ao Museu Natural
A riqueza dos museus está associada em grande parte, pela doação de materiais. E o Museu Natural Entomológico Ornith Bollmann é prova disto. O local recebeu do Oficial-General Jairo Cesar Nass, um falcão-peregrino, um jacaré-de-papo-amarelo e a coruja mocho-diabo.
Segundo o diretor do Departamento de Meio Ambiente, Marcelo Hübel, a primeira doação foi o falcão-peregrino, que ocorreu em 2012. “Esta espécie taxidermizada, “empalhada”, estava com destino certo para o Museu da Universidade de São Paulo, mas foi orientado pelo empresário executivo e ornitólogo Dalgas Frisch, para procurar por um museu em Santa Catarina”, disse.
Nesta semana, uma coruja e um jacaré também foram doados ao Museu. “Estas espécies foram taxidermizadas pelo Sr. Juliano, um profissional famoso neste ramo de atividade, que residia em Joinville. Mesmo com idade bem avançada, ainda fazia as peças na década de 70. Muitas destas peças taxidermizadas ficaram espalhas pelo Brasil e até em outros países, as mais próximas estão no Museu do Seminário de Corupá. Mas agora algumas destas raridades podem ser contempladas em São Bento do Sul. Cada qual com sua curiosidade e importância, sendo instrumentos de ensino para a educação ambiental, para o turismo e para a curiosidade dos moradores da região”, explicou o diretor.

Marcelo Hübel, Oficial-General Jairo Cesar Nass e Ricardo Gonzalez Frontana


Curiosidades - O Falcão-peregrino é migratório, vindo da América do Norte, sendo visto em Santa Catarina em outubro, novembro. Mede de 35 à 51 cm, pesando entre 500 à 1500 gramas, a abertura de asas confere um tamanho de 74 à 120cm, apresentando um dimorfismo sexual em relação ao peso e tamanho, pois as fêmeas são até 20% maiores que os machos.
Sua alimentação é variada, sendo aves que encontra em seu caminho, morcegos, pequenos vertebrados, peixes e insetos. Nas áreas urbanas procura pelos pombos. É um caçador solitário e não briga pela sua refeição, perdendo muitas vezes para outros falcões ou águias e afins, poupando sua energia e condição física, sendo mais fácil pegar outra presa.
É o animal mais rápido do mundo, pois durante a caça pode chegar a velocidade de 250 a 300km/h. Sua forma de voar é semelhante a de um pombo. Sua maior ameaça é a contaminação química dos venenos armazenados em suas presas, pois o veneno deixa a casca dos ovos mais finas, perdendo sua criação com muita facilidade
O jacaré-de-papo-amarelo é um réptil associado aos rios das bacias dos rios Paraná, Paraguai, Uruguai e São Francisco, também ocorre em mangues, apresenta este nome pois o papo fica amarelo no período de reprodução. Pode viver até 50 anos, sendo encontrado até 800m de altitude.
O focinho é longo, maior que qualquer crocodiliano. Pode chegar até 3,5m de comprimento mas é comum ver com 2m. Seu alimento é variado entre moluscos, peixes, aves, crustáceos, morcegos e répteis.
O mocho-diabo é uma coruja que recebeu este nome devido a cor vermelho brilhante nos olhos, que é evidente conforme a luz incide. Sua vocalização são gritos no som agudo de “wouf” e grave “miah”, parecendo um miado. Seu alimento inclui pequenos mamíferos, aves, insetos e morcegos este último capturado em voo. Aproveitam ninhos abandonados de outras aves para por os ovos, mas podem usar uma depressão do solo para ninho. Gosta de montanhas vivento de 600 até 3000m de altitude.

Visite – O Museu Natural Entomológico Ornith Bollmann está localizado na Rodovia dos Móveis - SC 418, nº 15, bairro Oxford.
O local atende de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 12 horas e das 13h30 às 17 horas. Aos sábados das 9 às 12 horas. E no segundo domingo do mês (domingo da família) das 9 às 12 horas. 
--
Assessoria de Comunicação
Prefeitura de São Bento do Sul

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Exposição de Quadros no Museu Natural

Superando as Expectativas
Ganhos expressivos no registro de visitantes no mês de setembro para o Museu natural Entomológico Ornith Bollmann. O Museu Natural foi inaugurando em dezembro de 2011 e em comparação aos meses de setembro, neste ano teve um “recorde” com 393 visitantes, do total de 10548, desde a inauguração. Este desempenho foi alcançado devido as exposições artísticas culturais da Associação Sãobentense de Artistas Plásticos com obras de Miriam Kollross, Suely Ehrl, Edith Zschoerper, Isabel Lacerda Natschel, Elésia Mazon da Maia, Dalva Haenisch, Lia Grossskopf, Neide Radoll, Sirlene B. S. Rosá e Deise Balestrim. Também constaram obras da artista plástica Astrid Lind roth como Projeto Artístico e Histórico “Marcas Humanas” retratando São Bento do Sul, com desenhos feitos com bico de pena, na técnica de pontilhismo. Foi uma oportunidade para turistas, moradores e escolas de conhecerem as técnicas de pintura, nas expressões culturais nas distintas formas de arte. Entre os moradores de outras cidades estão dos municípios de Bombinhas, Jaraguá do Sul, Rio Negrinho, Campo Alegre, Guaramirim, Curitiba, Joinville, Petrópolis, São Paulo e São Bernardo do Campo.

Visitantes no Museu Natural

ANO – MÊS – VISITANTES – TOTAL DE VISITANTES
2011 – Dezembro - 163 – Total 163
2012 – Setembro - 254 – Total 2513
2013 – Setembro - 215 – Total 1711
2014 – Setembro - 117 – Total 1085
2015 – Setembro - 94 – Total 808
2016 – Setembro - 70 – Total 325
2017 – Setembro - 340 – Total 1580

2018 – Setembro - 393 – Total até Setembro 1961
Localização - O Museu Natural Entomológico Ornith Bollmann fica localizado na Rodovia dos Móveis - SC 418, nº 15, no bairro Oxford.
O horário de atendimento é de segunda à sexta-feira, das 7h30 às 12 horas e das 13h30 às 17 horas. Aos sábados das 9 às 12 horas. E nos segundos domingos do mês, das 9 às 12 horas. 





segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Museu da Música Maestro Pedro Machado de Bitencourt - Revitalização da Estação Ferroviária São Bento - Centro Histórico Cultural Estação Ferroviária Osmar Alvim Mallon

Parte do Protocolo e História, escrito e apresentado por Márcio Brosowsky (30/09/2018)

Inauguração do  Museu da Música Maestro Pedro Machado de Bitencourt, e entrega da revitalização da Estação Ferroviária São Bento, bem como a abertura do Centro Histórico Cultural Estação Ferroviária Osmar Alvim Mallon, pela Prefeitura de São Bento do Sul e também pela Fundação Cultural de São Bento do Sul.

Márcio Brosowsky - Presidente da Fundação Cultural de São Bento do Sul
Após anos de entraves burocráticos, busca de recursos, elaboração de projeto, Licitação, e tantos outros trâmites que uma obra desta envergadura exige, enfim entregamos a obra acabada para a comunidade.

HISTÓRICO DA LINHA: A linha do São Francisco teve o primeiro trecho entregue pela E. F. São Paulo-Rio Grande em 1906, ligando o porto de São Francisco (hoje do Sul) a Joinville. Em 1910, a linha foi prolongada até Hansa (Corupá), em 1913 até Três Barras, e finalmente em 1917 atinge Porto União da Vitória, de onde deveria continuar até atingir Foz do Iguaçu, Este último trecho jamais foi construído.
A estação foi aberta em 1913, com o nome de São Bento, pois era a mais próxima da sede do município de São Bento, hoje São Bento do Sul.

Até mais ou menos a metade da década de 1920, o transporte de passageiros para a estação era feito por troles puxados a cavalo. Quem quisesse viajar, tinha de procurar antes um dos três concessionários do transporte, e pedir para levá-lo no horário estabelecido para alcançar o trem.

Por volta de 1943, a cidade e a estação tiveram o nome alterado para Serra Alta, sob imposição do Governo; em 1948, depois de muitas discussões, pois a população não se conformava com o novo nome, a cidade recuperou o antigo nome, com o sufixo "do Sul".

A linha se entronca com o Tronco Sul em Mafra e com a antiga Itararé-Uruguai em Porto União da Vitória. O último trem de passageiros, na verdade uma litorina diária, passou pelo trecho entre Corupá e São Francisco do Sul em janeiro de 1991. O trem misto (carga e passageiros) que servia à linha já não existe desde 1985.

Hoje, temos a ABPF que realiza um fantástico trabalho preservação, ocupando constantemente a linha com os trens puxados pela Maria Fumaça, o que tem atraído muito turismo para a nossa região.

- 1º tentativa de aquisição da área em 1997 junto a RFFSA;
- Aquisição dos imóveis do entorno (praça e terminal) em 1998;
- Cessão de uso da Estação para Prefeitura em 2010;
- Projeto de Restauração elaborado por Traço Cultural em outubro de 2011;
- Projeto de Revitalização elaborado pela Secretária de Planejamento e Urbanismo;
- Ambos foram aprovados pelo IPHAN em setembro de 2012;
- Orçamento elaborado pela Secretária de Planejamento e Urbanismo em fevereiro de 2014;
- Licitação, Concorrência Publica em maio de 2015;
- Empresa vencedora: LN Construções LTDA
- Valor da obra licitada: R$ 542.344,18;
-Valor do Repasse: R$ 390.000,00 – Emenda parlamentar do deputado Mauro Mariani
-Valor da Contrapartida da Prefeitura R$ 152.344,18;
- Início da obra em 03 de junho de 2015 na gestão do então Prefeito Fernando Tureck
- Conclusão da obra em 18 de maio de 2018, na atual gestão do Prefeito Magno Bollmann.

AGRADECEMOS O EMPENHO DE DIVERSAS PESSOAS LIGADAS AO PROJETO:

Equipe da secretaria de Planejamento, secretário Luis Claudio Schuves e engenheiro Marcelo Levandowski – em nome deles agradecemos a todos que estavam ligados diretamente ao projeto,

A secretaria ordenadora da despesa, SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO ECONOMICO, aqui representanda pelo secretário ADELINO DENCK

A EMPRESA LN CONSTRUÇÕES LTDA empreiteiro contratado que fez a obra, que sempre atendeu os pedidos do setor de planejamento para que tudo saísse da melhor forma possível.

Sr Marcelo Neumann, pelo móvel doado,

Sr Alcides KRUGER, DA MARCENARIA KRUGER PELO MOVEL DOADO


A equipe da FC, que não mediu esforços para que tudo estivesse organizado de forma adequada no dia de hoje….

Prefeito Magno Bollmann fazendo a entrega do prédio para a comunidade

Música ao Vivo

DE autoria de José Sluminski, o qual agradecemos a presença, ouviremos agora a canção VELHA ESTAÇÃO, peça musical executada pelos professores da Escola de Música Donaldo Ritzmann, Luiz Carlos Grossl no vocal, Giovanne Pereira Lopes no violão e Thiago Verbinen no acordeon.
O autor se inspirou nos momentos agradáveis que teve, ao viajar para Rio Natal, embarcando nesta estação ferroviária.

----------------------------------------------------

Hoje entregamos também, o CENTRO HISTÓRICO CULTURAL ESTAÇÃO FERROVIÁRIA OSMAR ALVIM MALLON, CRIADO PELA LEI Nº 3590, DE 26 DE OUTUBRO DE 2015.

OSMAR ALVIM MALLON


Filho de REINALDO MALLON , E PAULA MALLON Nasceu em 14/07/1924 - SBS

ESPOSA: IGNEZ MALLON (NASCIDA IGNEZ KOCK)

FILHOS: 
NELSON REINALDO MALLON
JEANETE MALLON
SERGIO MALLON
FERNANDO MALLON

Osmar Alvim Mallon exerceu várias atividades profissionais e comerciais durante sua vida. Com 14 anos de idade começou a trabalhar nas Indústrias Augusto Klimmek (atual Condor S/A).
Anos mais tarde, ainda solteiro, passou na trabalhar nos Correios, levando o malote de correspondências duas vezes por dia para a Estação Ferroviária, localizada no Bairro Serra Alta. Exerceu esta atividade por vários anos, até final dos anos 1960. Como funcionário dos Correios, era sua a responsabilidade buscar o malote de correspondência, que na época vinha por trem, bem como entregar o malote de correspondência enviado por São Bento do Sul para os seus destinos, atividade realizada duas vezes por dia.

Seu pai, Reinaldo Mallon, cujo nome empresta à rua municipal que faz frente para a Estação Ferroviária da Serra Alta, foi o primeiro a explorar os serviços de transporte coletivo em São Bento do Sul, contando com a ajuda de Osmar.

Já casado com Ignez Mallon, foi proprietário do Bar Palmeiras (onde hoje se encontra instalada a Loja Central da Moda) por vários anos. Deixou o comércio para ingressar na empresa Cheviauto, primeira concessionária Chevrolet de São Bento do Sul (onde hoje se encontra instalada a loja Breithaupt), da qual foi sócio-fundador.

Com o encerramento das atividades da Cheviauto, voltou a explorar o comércio de lanchonete no Bar Palmeiras, um dos estabelecimentos comerciais mais tradicionais da cidade, onde trabalhou até se aposentar, passando o comércio para seu filho Sergio Mallon. O Bar Palmeiras manteve suas atividades até meados de 1980.

A importância da Estação Ferroviária está intimamente ligada ao nome de Osmar Alvim Mallon, pela sua atividade junto aos Correios por mais de três décadas.

Faleceu em: 12/04/2010 (85 anos).



DA MESMA FORMA, INSERIDO DENTRO DO CENTRO CULTURAL, TEREMOS A INAUGURAÇÃO DO MUSEU DA MÚSICA MAESTRO PEDRO MACHADO DE BITENCOURT. Criado pela Lei 3941 de 30 de agosto de 2018.

O Museu da música destina-se a abrigar, savaguardar, conservar, estudar, valorizar, divulgar e desenvolver os bens culturais que compõem seu acervo, além de valorizar a música produzida e gravada. O Museu conta com um grande acervo da centenária Banda Treml, coorporação musical do nosso município.


Pedro Machado de Bitencourt nasceu no dia 28 de junho de 1942, em Pedras Grandes(SC). Filho de Eduardo J. de Bitencourt e Purcênia M. de Bitencourt, desde cedo revelou uma tendência muito acentuada pela música, iniciando-se pouco tempo depois no estudo do harmônio.

Foi compositor de uma obra diversificada: missas, hinos, coros, canções e foi iniciado musicalmente no Seminário Maior Rainha dos Apóstolos, na cidade de Curitiba/PR, onde desenvolveu seus primeiros estudos de música e teve os primeiros contatos com composições religiosas e com os grandes compositores eruditos, como Ludwig van Beethoven, Frédéric Chopin, Lorenzo Perosi, Charles Gounod e Johann Sebastian Bach.

Teve uma grande atuação na formação e regência de diversos grupos musicais, como o coral Oficinas, em Tubarão.

Associação Coral São Bento do Sul e o
coral Montanara, dos quais também participou como regente. Além disso, a convite, regeu diversas vezes a
Orquestra Juvenil da Sociedade Ginástica e Desportiva São Bento, e
Pedro Machado de Bitencourt compôs a letra e a música do hino oficial de São Bento do Sul (Lei Municipal nº 01/73), bem diversos outros hinos.

Em abril de 1994 assumiu a regência da banda Treml e em maio do ano seguinte a da Polska Orkiestra Kameralna,

Também em 1995 passou a ser regente do coral Santa Cecília, da Igreja Matriz de São Bento do Sul, e ficou no cargo até 2002.

Em junho de 2001 conduziu a banda Treml numa turnê pela região sul da Alemanha.

cupou vários cargos públicos nas gestões dos prefeitos Ornith Bollmann, Osvaldo Zipperer, Frank Bollmann, Silvio Dreveck e Magno Bollmann, tendo inclusive ocupado o cargo de diretor presidente da Fundação Cultural de São Bento do Sul. Trabalhou por muitos anos no Grupo Rudnick. Foi assessor do deputado estadual Silvio Dreveck, em Florianópolis.

Faleceu em São Bento do Sul, na data de 27 de julho de 2017, aos 75 anos de idade.








Autoridades Presentes

Exmo Prefeito de São Bento do Sul, Sr Magno Bolmann
Exmo Prefeito de Corupá, Sr João Carlos Gotardi
Prefeito em exercício de Jaraguá do Sul – Anderson Kassner
Presidente da CMVSBS Sr Edimar Geraldo Salomon
Vereadores / Secretários
ABPF
RUMO
Presidente da Banda Treml, Sr Rubens Buchinger
Família de Osmar Alwin Mallon
Família de Pedro Machado de Bitencourt





terça-feira, 25 de setembro de 2018

Livres em seu habitat


Segundo monitoramento da soltura de aves

No final de semana foi realizado o segundo monitoramento das aves soltas na Fazenda URVE, área inserida na APA Rio Vermelho Humboldt, em Rio Natal. A soltura de 59 aves, sendo 45 de psitacídeos, que pertencem a mesma família dos papagaios, ocorreu em julho deste ano.

Segundo o diretor do Departamento de Meio Ambiente, Marcelo Hübel, no dia 14 de agosto foi realizado o primeiro relatório pós soltura, importante mecanismo de controle e conhecimento do comportamento de dispersão das aves. E, no dia 22 de setembro, ocorreu o segundo monitoramento e com resultados bem satisfatórios. “Nas proximidades do local foram vistos apenas dois tucanos anilhados com a identificação do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres. Outras aves avistadas no primeiro monitoramento já estão mais distantes do ponto de soltura, mostrando um resultado esperado”, disse.

Marcelo Hübel - Monitoramento de avifauna na APA Rio Vermelho Humboldt


Neste ano ainda está previsto mais um monitoramento e após esta última fase é possível agendar outra data para uma terceira soltura de aves. “A primeira soltura teve como apoiador no pagamento dos exames das aves a COMFLORESTA. Já a segunda soltura teve apoio financeiro da ASTRAM”, destacou o diretor.

Solturas - A primeira soltura de aves em São Bento do Sul, intermediada pela Prefeitura, ocorreu no dia 10 de julho de 2017, com 32 aves. Foram soltos 2 sabiás-preta, 4 sabiás-coleira, 1 sabiá-laranjeira, 2 sabiás-poca, 1 trinca-ferro, 1 tangará-dançarino, 2 coleirinhos, 2 curiós, 1 pintassilgos, 1 saíra-sete-cores, 1 tié-preto e 14 tucanos-de-bico-verd. “Os destaques nesta soltura foram o tucano-do-bico-verde, por ser símbolo da fauna de São Bento do Sul, e o curió que está criticamente ameaçado de extinção na lista do CONSEMA nº02 06/12/2011”, contou Marcelo.
Esta soltura também foi marcada pelo sucesso do acasalamento de um tucano-de-bico-verde anilhado, portanto solto na natureza, com um tucano-de-bico-verde selvagem. “Este é o melhor resultado que se pode esperar desta ação”, comentou.

Esta primeira soltura apresentou três monitoramento de campo e após estas fases foi possível agendar outra soltura de aves, que ocorreu em julho.
Foram soltos na segunda ação: 14 tucanos-de-bico-verde, 3 periquitões-maracanã, 4 periquitos-verde, 24 tiribas-de-testa-vermelha e 14 maitavas-verde.
A maior parte das aves foi produto das apreensões realizadas pela Polícia Militar Ambiental, que leva as aves para o Centro de Triagem de Animais Silvestres, de Florianópolis, sendo administrado pela R3 Animal, que participa de resgates, reabilitação e reintrodução de espécies nativas. 
--
Assessoria de Comunicação
Prefeitura de São Bento do Sul

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Jardim Botânico de São Bento do Sul é oficialmente criado


Jardim Botânico de São Bento do Sul é oficialmente criado

Um marco para o município de São Bento do Sul.
Assim pode ser definido o momento realizado na noite de quinta-feira, quando o prefeito Magno Bollmann assinou o decreto que cria o Jardim Botânico de São Bento do Sul.
O ato ocorreu na Promosul durante o ENIT, e contou com a presença de representantes da administração municipal e das instituições apoiadoras do Jardim Botânico como Secretaria Municipal de Planejamento e Urbanismo; Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo; Departamento de Meio Ambiente da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente; Serviço Municipal de Água e Esgoto - SAMAE; Consórcio Intermunicipal Quiriri – CIQ;  Fundação de Ensino Tecnologia e Pesquisa - FETEP; Incubadora Tecnológica de São Bento do Sul - ITFETEP;  Instituto Federal Catarinense – IFC - Campus São Bento do Sul; UNIVILLE - Campus São Bento do Sul; Sociedade Educacional de Santa Catarina – UNISOCIESC - São Bento do Sul; UDESC - Campus São Bento do Sul e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI.

Presidente da FETEP Osmar Mühlbauer e Prefeito Magno Bollmann
Assinatura do Decreto de criação do JB
Na ocasião, o prefeito Magno Bollmann assinou o Decreto nº 1050, de 20 de setembro de 2018 que dispõe sobre a criação do Jardim Botânico de São Bento do Sul e dá outras providências.
Sobre o momento histórico, o prefeito destacou que "trata-se de um momento ímpar para a preservação de nossa flora, pois com a criação do jardim botânico teremos condições de atuar com todas as instituições parceiras em ações de estudos e pesquisa para manter a exuberância da natureza de nossa região. É uma imensa alegria e só temos a agradecer pelo engajamento de todas as instituições envolvidas, desde o Consórcio Quiriri representando os municípios de São Bento do Sul, Rio Negrinho, Campo Alegre e Corupá, a todas as instituições de ensino e pesquisa envolvidas, que demonstraram desde nossa primeira reunião para tratar do assunto total apoio para a criação deste espaço", destacou o prefeito Magno Bollmann.
Sobre este momento, a curadora do Jardim botânico de Joinville, um dos mais importantes do estado, Dra. Karin Esemeann Quadros enviou o seguinte comentário:
"Esta é uma notícia maravilhosa: o Jardim Botânico de São Bento do Sul vai existir oficialmente a partir de hoje. Parabéns!!! Que seja o primeiro ato de muitos que contribuirão para a existência do Jardim Botânico de fato. Conta com o apoio da Rede Brasileira de Jardins Botânicos, já manifestado pelo seu Presidente João Neves Toledo, cujas contribuições ao texto do Decreto foram bem pertinentes. Muito trabalho pela frente, mas valerá a pena. Será o primeiro Jardim Botânico a preservar a Floresta Ombrófila Mista do Estado (Araucárias), com a pretensão de ser um grande Jardim", disse Dra. Karin.


Jardim Botânico
O Jardim Botânico de São Bento do Sul será o primeiro jardim botânico a preservar a floresta ombrófila mista do Estado e será administrado pelo Serviço Municipal de Água e Esgoto - SAMAE, com apoio da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Secretaria Municipal de Saúde, Fundação de Ensino Tecnologia e Pesquisa – FETEP, Consórcio Intermunicipal Quiriri – CIQ, Instituto Federal Catarinense – IFC/Campus São Bento do Sul, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC/Campus São Bento do Sul, Sociedade Educacional de Santa Catarina – UNISOCIESC, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI, todos vinculados ao Polo Tecnológico, além da Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE.
Sua área compreende o total de 107.892,35m2 localizados no bairro Centenário, no terreno de propriedade da Fundação de Ensino Tecnologia e Pesquisa – FETEP, declarado de utilidade pública com a publicação do decreto, ocorrido nesta sexta-feira, dia 21.

Objetivos
Expostos no decreto, os objetivos do Jardim Botânico de São Bento do Sul são:
I - a conservação, preservação, resgate e banco genético das espécies do bioma conhecido como Mata Atlântica, principalmente da Floresta Ombrófila Mista e Floresta Ombrófila Densa e seus ambientes tais como os Campos de Altitudes e Banhados;
II - a garantia de espaços para pesquisas, educação ambiental, cultura, lazer e turismo ecológico;
III - a realização, de forma sistemática e organizada, de registros de plantas e documentação, referentes ao acervo vegetal, os quais permanecerão acessíveis junto ao herbário localizado no Museu Natural Entomológico Ornith Bollmann, visando plena utilização para conservação do meio ambiente;
IV - a conservação de plantas, através de bancos de germoplasma "ex situ" e reservas genéticas "in situ", com o objetivo de pesquisa, demonstração e educação ambiental;
V - a proteção, inclusive por meio de tecnologia apropriada de cultivo, espécies silvestres, vulneráveis, raras, ameaçadas pela ação antrópica, especialmente em âmbito local e regional, bem como resguardar espécies econômicas e ecologicamente importantes para a restauração ou reabilitação de ecossistemas;
VI - o intercâmbio científico, técnico e cultural com entidades e órgãos nacionais e estrangeiros;
VII - a capacitação de recursos humanos;
VIII - a educação ambiental, formal e não formal, além de estimular a pesquisa na sociedade científica;
IX - o refúgio e proteção da fauna local.

Justificativas
O decreto apresenta como algumas justificativas para a criação do jardim botânico as seguintes considerações:
Que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações (art. 225 da CF), sendo de competência do Município, em comum com a União e o Estado, proteger o meio ambiente (inciso VI do art. 23 da CF) e preservar as florestas, fauna e flora (inciso VII do art. 23 da CF).
E ainda a importância do papel desempenhado pelos jardins botânicos na conservação da biodiversidade brasileira; a necessidade de incrementar a existência de jardins botânicos na Região Sul, visando fomentar a estratégia de conservação das espécies da flora do bioma Mata Atlântica; 
A importância de documentar as plantas vivas, ou de herbário, e manter coleções de referência taxonômica e coleções-testemunho e acesso a táxons provenientes de programas de conservação; 
A necessidade de elaboração de diagnóstico das coleções para manter a catalogação física e divulgar o acervo em meio digital das coleções ex situ e in situ; a proteção de espécies vegetais nativas em seu habitat: campo, banhado, aquático, florestas e afins; 
A contribuição para a conservação e a geração de conhecimento na preservação de ecossistemas inclusos nas Unidades de Conservação, tais como APA Bacia Hidrográfica do Rio Vermelho/Humbold, APA do Alto Rio Turvo, APA da Bacia Hidrográfica do Rio dos Bugres, APA Represa do Alto Rio Preto, APA dos Campos do Quiriri e afins; 
A necessidade de conhecimento para a manutenção e produção de espécies nativas, no auxílio de manejo sustentável para uso do potencial econômico, seja para o uso medicinal, florestal, ornamental ou alimentar, oportunizando condições de renda para a comunidade rural ou no entorno do Jardim Botânico pelo uso que a floresta pode fornecer; 
A possibilidade de incorporação e plano de manejo do Jardim Botânico junto ao polo tecnológico e de pesquisa, conglomerando entidades privadas, poder público e sociedade civil organizada para administrar um sistema de gestão ambiental sustentável;
E o compartilhamento de trabalho e fortalecimento do conhecimento, com o intercâmbio técnico e científico com a Rede Brasileira de Jardins Botânicos, com o intuito de promover estratégias de aperfeiçoamento dos espaços para a conservação, cultura, lazer, pesquisa e educação ambiental.
Jardins Botânicos pelo Estado
No Estado de Santa Catarina existem somente três jardins botânicos criados, sendo o de São Bento do Sul o quarto a ser criado no estado.
Os jardins existentes são:
Jardim Botânico da UNIVILLE – Universidade da Região de Joinville-SC, criado em 19 de abril de 2007, em área de 19.160m².
Jardim Botânico de São José, inaugurado em 14 de agosto de 2015 com 160 mil m2 de mata atlântica preservada.
Jardim Botânico de Florianópolis, criado como parque em uma área urbana do Itacorubi com espaço de 190 mil m2 em 24 de setembro de 2016 e decretado Jardim Botânico de Florianópolis em 24 de setembro de 2017.
Primeiro passo
Tudo iniciou em 9 de agosto de 2017 quando a primeira semente para a criação do Jardim Botânico de São Bento do Sul foi semeada.
Na ocasião, o prefeito Magno Bollmann esteve reunido com o sr. Osmar Muhlbauer, Presidente da Fundação de Ensino Tecnologia e Pesquisa - FETEP; Osvalmir Tschoeke, gerente da Incubadora Tecnológica de São Bento do Sul; Samuel Henrique Werlich, diretor-geral do Instituto Federal Catarinense – IFC - Campus São Bento do Sul; Gean Cardoso de Medeiros, diretor da Univille - Campus São Bento do Sul; Dra. Karin Esemeann Quadros, representante do Jardim Botânico da Univille; Claudinei José Cristofolini, representante da Sociedade Educacional de Santa Catarina - Unisociesc; Agnaldo Valderlei Arnold, diretor administrativo da Udesc - Campus São Bento do Sul; Luiz Claudio Gayer Schuves, Secretário de Planejamento e Urbanismo; Adelino Denk, Secretário de Desenvolvimento e Turismo; Marcelo Hübel, Diretor de Meio Ambiente e Joberth Krause, assessor de comunicação da prefeitura de São Bento do Sul.
Durante a reunião foram discutidos temas relativos à criação do Jardim Botânico de São Bento do Sul como: definição da personalidade jurídica para criação do jardim botânico, área do jardim botânico; plano de uso e ocupação; participação das instituições na constituição do jardim botânico, e demais itens para futuras discussões. 
Próximos passos
De acordo com o biólogo e diretor do Departamento de Meio Ambiente da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Marcelo Hübel, o decreto define a necessidade do “Regimento Interno” que será construído com todas as pessoas que já participaram deste processo de criação do Jardim Botânico, e assim será definida a gestão participativa. Também já está sendo realizado pela AMUNESC o projeto para três construções no formato enxaimel para abrigar o “Memorial do Pagamento por Serviço Ambiental”, o “Memorial do Consórcio Intermunicipal Quiriri” e as instalações da “Farmácia Viva”. Mas o grupo de trabalho já manifestou muitas sugestões e intenções de colaboração. Também neste início de trabalho faremos as formalizações necessárias para uso da biblioteca, sala e restaurante no IFC, e a entrada no coração do Polo Tecnológico. É preciso estar junto da Rede Brasileira de Jardins Botânicos e fomentar o propósito da pesquisa, conservação e preservação do meio ambiente, da educação ambiental, da saúde, da cultura e do lazer", explicou Marcelo. 
Joberth Krause – MTB 4280SC
Assessoria de Imprensa
Prefeitura de São Bento do Sul

DECRETO CRIA O JARDIM BOTÂNICO


DECRETO CRIA O JARDIM BOTÂNICO

O Jardim Botânico que hoje se torna uma realidade documentada, iniciou com as primeiras conversas em 2017 com formação de um grupo de trabalho, estimulado pelo Prefeito Magno Bollmann, nomeando o Diretor de Meio Ambiente da PMSBS como Coordenador e com uma equipe de encher os olhos, na participação: do Setor Jurídico do Município, do SAMAE, da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria de Planejamento e Urbanismo, a Fundação de Ensino Tecnologia e Pesquisa – FETEP, o Consórcio Intermunicipal Quiriri – CIQ, o Instituto Federal Catarinense – IFC/Campus São Bento do Sul a Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC/Campus São Bento do Sul, Sociedade Educacional de Santa Catarina – UNISOCIESC, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI, e da Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE.
E assim foram 5 reuniões nas definições e premissas da criação do primeiro jardim botânico.
Presidente da FETEP  Osmar Mühlbauer e Prefeito Magno Bollmann
Na assinatura do Decreto de criação do Jardim Botânico no ENIT 2018
Mas este Jardim Botânico apresenta algumas peculiaridades, sendo o primeiro do Estado de Santa Catarina que preserva a Floresta Ombrófila Mista, pois os outros Jardins Botânicos estão em Joinville, São José e Florianópolis. Também é o primeiro que faz parte de um Polo Tecnológico.
Mesmo antes da assinatura do Decreto a Rede Brasileira de Jardins Botânicos, pelo seu Presidente João Neves Toledo, manifestou seu apoio solidário presencialmente, garantindo um apoio condicional na construção deste marco de conservação, pesquisa, cultura, lazer e educação ambiental para São Bento do Sul/SC
O decreto que está encaminhado para a publicação, vai coincidir com o aniversário da cidade, sendo uma excelente notícia, um presente para seus moradores.
Os próximos passos é a criação do “Regimento Interno”, que na Administração do SAMAE e com o conselho gestor dos setores já mencionados, conseguirão fazer avançar os objetivos. Mas já está sendo desenhado arquitetonicamente pela AMUNESC, a pedido do Prefeito Magno Bollmann, as três primeiras construções em estilo enxaimel que abrigarão a Farmácia Viva, o Memorial do Consórcio Intermunicipal Quiriri e o Memorial do Pagamento por Serviço Ambiental. Mas ainda existem muito mais para acontecer.

A criação do Jardim Botânico pode ser bem compreendido pelas considerações apresentadas:

CONSIDERANDO que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações (art. 225 da CF), sendo de competência do Município, em comum com a União e o Estado, proteger o meio ambiente (inciso VI do art. 23 da CF) e preservar as florestas, fauna e flora (inciso VII do art. 23 da CF);

CONSIDERANDO a importância do papel desempenhado pelos jardins botânicos na conservação da biodiversidade brasileira;

CONSIDERANDO a necessidade de incrementar a existência de jardins botânicos na Região Sul, visando fomentar a estratégia de conservação das espécies da flora do bioma Mata Atlântica;

CONSIDERANDO os poucos estudos que existem sobre a biodiversidade no Planalto Norte de Santa Catarina;

CONSIDERANDO a importância de documentar as plantas vivas, ou de herbário, e manter coleções de referência taxonômica e coleções-testemunho e acesso a táxons provenientes de programas de conservação;

CONSIDERANDO a necessidade de elaboração de diagnóstico das coleções para manter a catalogação física e divulgar o acervo em meio digital das coleções ex situ e in situ;

CONSIDERANDO a proteção de espécies vegetais nativas em seu habitat: campo, banhado, aquático, florestas e afins.

CONSIDERANDO a importância de listar as espécies e populações prioritárias para conservação, além daquelas espécies regionais ameaçadas, e documentar a diversidade genética das espécies;

CONSIDERANDO a contribuição para a conservação e a geração de conhecimento na preservação de ecossistemas inclusos nas Unidades de Conservação, tais como APA Bacia Hidrográfica do Rio Vermelho/Humbold, APA do Alto Rio Turvo, APA da Bacia Hidrográfica do Rio dos Bugres, APA Represa do Alto Rio Preto, APA dos Campos do Quiriri e afins;

CONSIDERANDO a necessidade de conhecimento para a manutenção e produção de espécies nativas, no auxílio de manejo sustentável para uso do potencial econômico, seja para o uso medicinal, florestal, ornamental ou alimentar, oportunizando condições de renda para a comunidade rural ou no entorno do Jardim Botânico pelo uso que a floresta pode fornecer;

CONSIDERANDO a necessidade de realização de estudos de combate a introdução de espécies invasoras ou pragas nocivas;

CONSIDERANDO o espaço físico adequado, infraestrutura, com uso de metodologia própria para explorar o local com suas riquezas técnicas e práticas para a conscientização do público em geral, ajustada à pluralidade cultural na formação da educação ambiental;

CONSIDERANDO a necessidade de união de grupos de trabalho visando a capacitação, o conhecimento técnico e científico, as pesquisas em prol da sociedade;

CONSIDERANDO a possibilidade de incorporação e plano de manejo do Jardim Botânico junto ao polo tecnológico e de pesquisa, conglomerando entidades privadas, poder público e sociedade civil organizada para administrar um sistema de gestão ambiental sustentável;


CONSIDERANDO o compartilhamento de trabalho e fortalecimento do conhecimento, com o intercâmbio técnico e científico com a Rede Brasileira de Jardins Botânicos, com o intuito de promover estratégias de aperfeiçoamento dos espaços para a conservação, cultura, lazer, pesquisa e educação ambiental; CONSIDERANDO ainda a oportunidade concreta de criação e implantação de uma instituição com atividades de Jardim Botânico no âmbito do Município de São Bento do Sul.

Presidente da FETEP  Osmar Mühlbauer e Prefeito Magno Bollmann
Assinatura do Decreto de criação do Jardim Botânico durante o  ENIT 2018

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Consórcio Quiriri entrega projetos de licenciamento ambiental para os municípios

Chegamos na reta final para o licenciamento ambiental ser uma realidade, uma ação importante para a preservação do meio ambiente e para o desenvolvimento econômico. Falta pouco.

O licenciamento ambiental criou corpo e sinais de concretização em 2017 quando então completava 20 anos de atuação


Consórcio Quiriri entrega projetos de licenciamento ambiental para os municípios

A manhã desta quarta-feira, 19, foi considerada histórica para os municípios que integram a região do Consórcio Intermunicipal Quiriri.

Na especial ocasião que contou com as presenças do prefeito de Rio Negrinho Julio Ronconi, prefeito de São Bento do Sul, Magno Bollmann, prefeito interino de Campo Alegre Sebastião Vendelino Kons e do vice prefeito de Corupá Arno Neuber, o Consórcio Quiriri entregou aos prefeitos o projeto do que será a lei para regulamentar o licenciamento ambiental através do Consórcio Quiriri para os quatro municípios.

O momento foi considerado histórico pelo fato dos municípios aguardarem por esta iniciativa há alguns anos.

O documento entregue aos municípios durante Assembléia do Consórcio realizada no auditório da Promosul em meio ao ENIT, é o que será o projeto de lei que, após análises do texto pelas Prefeituras, nas secretarias de Finanças e Procuradoria, será encaminhado para apreciação e aprovação nas Câmaras Municipais de Vereadores.

Todo o estudo e elaboração do documento foi realizado pelo advogado Manolo Del Olmo, da Del Olmo Advogados Associados, empresa vencedora da licitação para elaboração do processo de licenciamento ambiental através do Consórcio Quiriri. Durante a reunião inclusive, o advogado Manolo Del Olmo apresentou um release em vídeo sobre toda a construção da documentação que culminou no texto do projeto de lei encaminhado aos municípios.

Após aprovação nas Câmaras dos quatro municípios, oficialmente o Consórcio Quiriri poderá realizar os licenciamentos ambientais na região.

Para que o trabalho seja realizado, uma equipe de profissionais foi composta com servidores cedidos ao Consórcio, e que iniciarão os trabalhos tão logo os projetos de lei estejam aprovados.

A equipe é formada pelos seguintes profissionais:

Kaandra Werner, engenheira ambiental - Prefeitura de São Bento do Sul
Luiz Martins Gonçalves neto, biólogo - Prefeitura de Corupá
Carlos Henrique Reitz Arakaki, engenheiro civil - Prefeitura de São Bento do Sul
Alan Ferraz Lemke, engenheiro agrônomo - Prefeitura de São Bento do Sul
Eloah Talisse Kresko, gestora ambiental - Prefeitura de Rio Negrinho

Na ocasião o prefeito de Rio Negrinho Julio Ronconi, que presidia a reunião, enfatizou este especial momento: "este momento é histórico, pois os municípios aguardam há anos pela possibilidade de se realizar aqui mesmo os licenciamentos ambientais, o que proporcionará maior agilidade aos processos e contribuirá para o desenvolvimento da região", disse.

O prefeito Magno Bollmann descreveu este como um momento ímpar para o Consórcio Quiriri. "Nós trabalhamos muito para que este momento se concretizasse. Trata-se da materialização de um grade desejo dos quatro municípios, e que só foi possível graças a grande parceria e união dos quatro municípios. É um momento ímpar e que beneficiará muito a nossa região", disse Magno, que comemorou muito este momento.

Joberth Krause – MTB 4280SC

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Exposição de Quadros no Museu Natural - São Bento do Sul 145 ANOS


Jardim Botânico Em São Bento do Sul - Reunião com a RBJB


Reunião trata sobre a implantação do Jardim Botânico

A implantação do Jardim Botânico está começando a se aproximar da realidade em São Bento do Sul. Na quinta-feira (30), no gabinete do prefeito Magno Bollmann, aconteceu a 4ª reunião para tratar de assuntos relacionados ao Jardim Botânico, um projeto voltado para a saúde, lazer, cultura, educação ambiental, estudo/pesquisa e a preservação/conservação do meio ambiente.
Um marco importante considerando a aproximação da reunião da FETEP concretizando a doação do espaço, que resultará na assinatura do Decreto de criação do Jardim Botânico, com uma identidade inovadora para o Brasil pela junção do apoio tecnológico com o Poder Público.
O presidente do Comitê Executivo da Rede Brasileira de Jardins Botânicos (RBJB), João Neves Toledo, fez questão de parabenizar a equipe da Prefeitura pela iniciativa. “Fico muito feliz em presenciar esta iniciativa. São Bento do Sul está implantando um Jardim Botânico, e está começando de maneira correta, tendo em vista que é preciso dar um passo de cada vez para que o projeto saia do papel”, disse o presidente.
Marcelo Hübel na futura área do JB
Para o diretor de Meio Ambiente da Prefeitura, o biólogo Marcelo Hübel, é importante frisar que o Jardim Botânico terá um apelo de conservação, turismo, laser, cultura, educação ambiental e saúde. “Realizamos todo o processo necessário para a implantação do espaço, e com a ajuda da Rede, teremos muito sucesso nesse projeto”, completou Hübel.
De acordo com o prefeito Magno Bollmann, São Bento do Sul já é privilegiada pelo fato de a questão ambiental estar sempre em evidência. Magno lembrou da importante participação do Consórcio Intermunicipal Quiriri para contribuir com o projeto, citando ainda a Área de Preservação Ambiental – APA.



“São ideias que com certeza serão incorporadas. Esse é o caminho que temos que seguir, mas vai depender de cada um de nós para que as coisas aconteçam”, disse o prefeito. Conforme Magno, o Jardim Botânico agregará uma série de outros trabalhos, ultrapassando todas as expectativas.
Após a reunião no gabinete, a comitiva da Rede visitou o Museu Natural, onde elogiaram os trabalhos de exposição, dos projetos e da implantação do JB. Com a implantação, São Bento do Sul será o quarto município do Estado com Jardim Botânico. Existem outros em Florianópolis, São José e Joinville. Todos implantados recentemente.

O encontro ainda contou com a presença da dra. Karin Esemann de Quadros (JB da Univille), Zenaide Nunes e Juvenal (JB de Recife) e Sergio Stähelin (JB de São José), Leoni Fuerst, do Consórcio Quiriri, Osmar Mulbauer e Osvalmir Tschoeke, da Fetep, Jonathan Roger Linzmeyer, da Acisbs, Nilson Riveiro, da Udesc, Zenório Piana (AJBF – Florianópolis), Alisson Hastreiter, secretário de Agricultura, Luiz Claudio Schuves, secretário de Planejamneto e Urbanismo, Alessandro Javaski, do IFC, Joyce C. Z. Fietz, do Senai, Eduardo Alexandre de Oliveira, da Unisociesc, Henrique de Oliveira, do IFC, Samuel Henrique, do IFC, Ana Carla Prade, da Farmácia Viva e Claudete Redlich, do Samae. Ricardo Baum



PARTICIPANTES

Osmar Mülbauer - FETEP
Jonathan R. Lintzmeyer - ACISBS
Leoni Fuerst - CIQ
Nilson R. Modro - UDESC
Alisson A. Hastreiter - PMSBS - SEMAM
Luiz C. Schuves - PMSBS 
Osvalmir Tschoek - FETEP
Alessandro Janoski - IFC
Joyce C Z Figtz - SENAI
Eduardo A de Oliveira - UNISOCIESC
Henrique V de Oliveira - IFC
Samuel H. Werlich - IFC
Ana C. Prade - PMSBS - SEMOS
Paulo Schwirkowski - SAMAE
Claudete S. Redlich- SAMAE
Édina C. Weber - PMSBS - SECON
Marno Bollmann - PMSBS - PREFEITO
João Neves Toledo - RBJB - PRESIDENTE
Zenaide Nones Magalhães - RBJB - JB RECIFE
Sérgio Stähelin - RBJB - JB SÃO JOSÉ
Zenório Piana - AJBF - FLORIANÓPLOIS
Karin E. de Quadros - RBJB - JB UNIVILLE
Marcia P. Hoeltgebaum - AJBF
Juvenal D. A. Filho - RBJB
Roger J. Flesch - AJBR - FLORIANÓPOLIS
Sergio L. Zampieri - AJBF - FLORIANÓPOLIS
Marcelo Hübel - PMSBS - SEMAN